sábado, 19 de dezembro de 2009

TENHO

Tenho renovado
os votos
de um amor
eterno.

Tenho requerido
o sucesso
de um projeto
em mim.

Tenho sonhado
com crianças
de um mundo
limpo assim.

Tenho feito
pensares
que se perdem
em mim.

Tenho rezado
a Deus
que triunfe
no mundo
a paz
de um jardim.

MFSS

sábado, 12 de setembro de 2009

BUSCA

O que pensamos viver em nós
É justamente o que já morre.
Falo de palavras
E palavras falam de mim.
Quem fala de quem?
Ou o poeta que já morre
fala não de mim,
Mas de alguém
Que pensa que vive?

SUSTO!

Súbito no asfalto
Um trem ...
Mimetismo de ostra,
Osmose de cantos
Percorrem os internos pulmões
Do meu cotidiano.
Um sonho de pedra,
De meigas meninas nuas!
Súbito um olhar
Dorme em mim ...
Manhã de noite esparsa ...
Dor de todo ser:
Fim.

sábado, 29 de agosto de 2009

MEU POEMA

Vejo mansamente
Fluir de mim
Um gosto do impreciso
E do inacabado:
É o meu poema.

Meu poema sangra
Como mulheres!

Meu poema sorri
Como crianças ...

Meu poema morre
Como flores:
Eterniza-se ...

Mônica FSSoares

sábado, 8 de agosto de 2009

O QUE !!!

O que fazer
quando já não
há brilho
no olhar ?

O que fazer
quando os sonhos
dissiparam como sal?

O que fazer
quando a luz do olhar
é negro e mudo
e tudo que existe
é um querer ser
sem poder ser
o que se poderia ?

O que fazer do olhar
quase perdido
do futuro ?

O que fazer
para trazer
luz , vida
e esperança
aos olhos
de criança ?

O que fazer?
Esperar por
um milagre
social !!!

É minha a dor
deste olhar.

Mônica Soares

Fim de Tarde

É fim de tarde
Penso que as palavras
Já dormem.

É fim de tarde
E o pássaro solitário
Gorjeia lá fora.

É fim de tarde
Só quero matar o tempo
Sentir o caminho do vento.

É fim de tarde
Penso que não é
Tarde o fim
Mas o recomeço
De tudo em mim.

Monica Soares

EVIDÊNCIA


Eu sempre me estranhei
Desde pequena:
Serei artista.
Eu poderia ser tudo
O que os outros são:
Nada.
No entanto, sou algo
Decifrável mas indefinível.
Agora recrio
O que não vejo: vida.
Teria sido vida
Ou desespero?!
(Construção sólida
Quebra o pensamento:
2º andar: adormeço.)
Tudo é poesia
Ou inteiramente sonho...

Monica Soares