quinta-feira, 29 de outubro de 2015



PENSO


No silêncio dos inocentes ...

domingo, 24 de agosto de 2014

TUDO

                       

Tudo em mim, agora,
é sutil, vapor de
perfume que se esvai
fugidio,leve fragrância
de um tudo, de uma
vida sentida no pulsar
das sangrias do mar.

Tudo em mim, agora,
ressurge mágico nos
segundos que deslizam
sorrateiros inibindo
pensamentos, sensações
perdidas...

Tudo em mim,agora,
etiliza a metáfora
do agora e do somente
o agora. Agora, é a grande
metáfora da vida.

MônicaFSSoares
24/8/2014

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014



                                                                         CREIO

NÃO CREIO NO HOMEM
NA SUA PALAVRA INCONSTANTE,
NAS SUAS IMAGENS TRIDIMENSIONAIS.
NÃO CREIO NAS SUAS IDEIAS IRRACIONAIS.
NA CASA
OSTENTADA DE OURO.
CREIO EM MIM.
CREIO NAS PALAVRAS QUE BROTAM DO CORAÇÃO!
NAS PESSOAS SANTAS QUE SE FORAM,
NA SIMPLICIDADE DE UM TETO AMOROSO.
NÃO BUSQUEM OS MILAGRES
SEJAM OS MILAGRES!
NÃO BUSQUEM OS SANTOS
SEJAM OS SANTOS TODOS OS DIAS,
SEJAMOS A MELHOR CRIAÇÃO DO DIVINO
POIS REFLETIMOS SUA IMAGEM.
O QUE É MAIS PODEROSO DO SER DEUS?!
UM PODER DE AMOR E TRANSFORMAÇÃO
PRIMEIRO EM SI MESMO,
DEPOIS NO OUTRO
E NO MUNDO !
CREIO NUM MUNDO MELHOR!
CREIO NA PURIFICAÇÃO DOM HOMEM.
CREIO NA REDENÇÃO DO PLANETA.
CREIO NA CRIANÇA DO FUTURO
QUE HERDARÁ A TERRA.


MÔNICAFSSOARES
EM 21/7/2013

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

                                                          ESTRANHAMENTO

                                                                   
Já não o conheço.
E não sei o que virá?!
Se vento ou calmaria
Se chuva ou vendaval?...

Olhá-lo e não o reconhecer!
O que fizemos ?!
Em que Nós o transformamos ?!
O que somos?! Predadores?!
Deuses da devastação?!
Onde está o verde
Que se espreguiçava
Por inteiro?!...
Hoje ,filetes de lágrimas
Escorrem na paisagem!

O olho vê, a mão toca
O que era luz...
Só treva imunda,lamacenta
De restos a misturar-se
A vida!
Um deserto de olhos
choram retorcidos
Em cascas de árvores
Apodrecidos.

É preciso mais que visões!...
É preciso o abraçar do mundo
No amigo !
É preciso o cuidado perfeito!
É preciso 7 dias para reconstruir
O mundo!
Nossa única herança!

domingo, 5 de agosto de 2012

                                                              DO OUTRO LADO

DE UM LADO
O ÂNGULO OBTUSO
É QUASE OBSCENO.
A ALTURA É POUCA
E MUITO PEQUENA.

O VERDE É FORTE,
É IGUAL E VALENTE!

UMA RETA ONDE
TUDO NÃO É IGUAL
E NÃO PODERIA SÊ-LO
SE O OUTRO LADO
NÃO É COMO ESPELHO!

MÔNICA SOARES

sexta-feira, 9 de março de 2012

VAZIO?!

Um fazer-se inerte
Sem sê-lo
Me toma...
Um vazio
Cheio de vagas.
Pensamento quieto
De todo,
De tudo adormecido
Fluindo sabores
De destino que
Não conheço.
Há momentos que
O sossego é recôndito.
Significa a paz
De um caminhar
Sem nuvens,sem ruídos.
Apenas um caminhar
Que vai ...latência
De um fazer-se inerte
Sem fim ...

MônicaFSSoares

sábado, 4 de fevereiro de 2012

TENHO

O ter me oprime
Cada vez que nego
O que não vejo,
O que não quero ...
Meu caminhar
É pesado
como cruz !
As visões
multiplicam-se
Aqui ...Ali ...
Não quero fugir !
Eu quero reagir !
Eu  quero metamorfosiar
Os gritos
Em sorrisos de
Gentis borboletas ...


MônicaFSSoares

sábado, 22 de outubro de 2011

AUSÊNCIA

Não é saudade
Que passeia aqui.
Talvez um vazio
De cama  esquecida.
Um barulho familiar
Que  já não se ouve.
São rimas de saudade
Que despertam de cada
Detalhe do passado.

MônicaFSSoares

CANTEIRO

Lá fora ouço
O estralar do verso:
São canteiros meigos
De sorrisos infantis.
Que brincam de rimar
De aderir
Pensamentos absurdos
De um poeta gelado.

MônicaFSSoares

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O ATO DA POESIA

"Poesia é o acaso do amor
na eutanásia da recordação."

Croce

NÃO SEI ...

                                                                                                         Para meu Leo

Não sei o que dizer do amor
Que  me encanta ...
Por enquanto as dores passeiam  sorrindo ...
Acordo dentre as madrugadas
Para  sentir o perfume
Que me envolve ...
Ainda assim,
Não sei o que dizer do amor
Que me encanta....
Não sei ...

01/1990
MônicaFSSoares

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

É NOITE !

É noite e os poetas
Acordam...
O espírito poético
Suaviza o ar que respiro.

É noite e os poetas
Acordam ...
Suas mãos pesadas
Cravejam o papel de piadas.

É noite e os versos
Transbordam...

É no  silêncio da noite
Num quase nada
Que vivem os poetas!

LONGE

Longe escuto o grilar
Do devaneio.

Longe escuto o latir
Do desespero.

Mais longe um coração
Dorme solteiro.

Longe,longe,longe
O mar me acalma
O medo.

MônicaFSSoares

sábado, 24 de setembro de 2011

INTERIOR

Uma inteiridade
Se apossa de mim
Despedaçando os blocos
Que passeiam sem roupas,
Despidos de cor,de cheiro,vazios...
Esta inteiridade
Me assombra!
Tenho tentado retê-la
Ou simplesmente contê-la ...
Mas minhas partes
Não se mostram,
Não se moldam.
Tudo que sou é tão sólido,
Tão compacto.
Que não sei se tornei-me mundo
Ou apenas um pedaço
Detalhado de tudo.

Mônica FSSoares

quarta-feira, 25 de maio de 2011

SILÊNCIO

    Para Cecília


Dentro de mim
Há um silêncio
Constante.
A sobreerguer
Os versos...
Dentro de mim
o silêncio
Toca o vento...
E a lira esquecida
Num canto
Suspira melodias
Infantis,
Aspira um cheiro
Bom de orvalho.
Sinto tudo delirar
Em prantos,
Revolvendo
A poeira triste,
Assoprando
Meus dedos finos.
O tempo ainda
É tempo
E lá fora
O silêncio eterno
Está sólido.
Aqui  dentro,
Está solto,
Vagando...
Pondo flores
Nos vasos
Pondo cheiro
No verso
Vazio e calmo ...

MônicaFSSoares

terça-feira, 24 de maio de 2011

JANELA

Janela é palavra
Que significa viver.

Há janelas em
Muitas janelas.

São pedaços de almas
De tantas almas.

Uma parte é fria
Parada de se vê,
Outra é vida
De se viver.


MônicaFSSoares

segunda-feira, 23 de maio de 2011

PERGUNTAS

Fiz tantas
Perguntas!!!
Que
Quase
Me esqueci .

MônicaFSSoares
23/5/2011

CORAÇÕES PASSARINHO

                                                                               A Cecília e Elson

Quando dois corações
Se reconhecem
O impacto  ás vezes
É arredio.
Mas o tempo devagarinho
Quebra as correntes
E os dois corações
Voam juntos
Como dois passarinhos ...

Quando dois passarinhos
Se aninham
O estar nunca
É sozinho.
A vida constrói
Armadilhas.
O tempo esculpe
O ninho
E os dois dormem
Sempre juntinhos.

MônicaFSSoares
23/5/2011

terça-feira, 15 de março de 2011

FALTA

                                                                                                                     a Selma e Leo

Sinto falta de um
Ouvir amigo...
Só a poesia apóia
O meu triste viver de fim.

Ouvir o soluço do choro
Da voz quebrada
No ritmo alucinado da vida
Que parte sem o seu viço.

Ser capaz de levantar
As pálpebras pesadas
Num abraço de borboletas
Todas simples e coloridas.

Sinto falta do olhar
Do distante amigo
Capaz de entender
No meu olhar
Tudo o que eu digo.

MFSS em 27/8/10

VERME

Neste momento os pássaros,aqui,
Já não cantam ...
Já não existem ...
Sinto a luz obscurecer os sentimentos,
Sinto de leve a mão do tempo
Tocar-me o rosto.
A úmida parede afaga-me
Em lembranças conturbadas
Por um odor de carne fétida
Por um odor de saudade espontânea ...
A terra escorrega livre...
Os homens passeiam livres ...
Procuram os braços, as pernas ... perdidos!
Os homens não procuram o verme
Que a vida em mim fez nascer.

MFSS  em 1988, as vitimas de uma tragédia no Brasil,
            em 2011, as vítimas  do terremoto no Japão.

RETA

Seguimos sempre
Sem nos olhar.
O tempo passa
Num relance
Esmagador...
Que não dá pra
Diluir o que
Ficou...
E assim a pouca
Humanidade
Esvazia-se de nós.
O que somos?
Que herança
deixaremos ?!

CHUVA

Gostaria de não ver o planeta
Chorando a nuvem negra que derrama !
Chuva fina,pesada,
Chuvisquinho tímido,em outras
Torrentes de água a desabar
Sobre os mundos.
Uma carga poderosa é a natureza!
Carrego-a nos braços, não nos ombros
Pelo apreço,pelo cuidado,
Pelo esmero e pela solidão...
Uma fria sensação de gelo
Me toma, será a chegada do fim?
Cada vez mais amarga,
Cada vez mais revoltada
Tem se mostrado malvada
A nossa natureza!
Fria e pesada
Ela cai,cai ...
Não importa
Quem vai,vai ...
Apenas se mostra
Mais, mais ...
E mais.

MFSS em 3/7/2010

terça-feira, 16 de novembro de 2010

COISAS NOVAS

O novo
É o velho
quew se disfarsa
E nos assusta !

Sempre olho o velho
E nele o novo se mostra
Arredio e tímido
Assim como o mundo ...

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

O VER

É um território de imagens
distorcidas as ilusões.
Visões de um mundo
transitório e feliz...

Uma apoteose de rostos belos
onde carne e ossos
apenas desfigurarão...

A essência é uma fragância
que se tenta pegar
mas tudo que absorvo
está no ar...

ANDORINHAS




Fazemos parte de um mundo
que nos despe
e nos mutila.
Nossas faces de nada
sorriem e choram
por quase nada.
E mesmoassim como soldados
do amanhecer
somos andorinhas
á toa, á toa.
Sempre.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

CRIANÇA




O nascer da poesia
Está na criança
Que cria e 
Recria o mundo.
Está na sua sede
De se ver nos outros.
Está na sua vontade
De querer infantil
E impulsivo.
A criança pulsa
O pulsar dos astros
A força mágica
Do rodar dos mundos.
A criança diz o indizível
Que se faz e
Que acontecerá.
A criança vislumbra
Um amanhecer
De pássaros
Que inundarão o mundo
Do fluir do vento
Da mansidão da alma
De alguém ...

MônicaFSSoares

PRECE


Preciso sangrar
as dores
de um parto
não nascido.

Engolir os
desatinos
que brotam
hilariosamente!

São os pecados
da mente
sendo expurgados
para o espírito
ser santificado
todo os dias.

Em nome do pai
do filho
e do espírito
que é santo!

Amém.



Mônica FSSoares

sábado, 15 de maio de 2010

A MISTURA


Na mistura da vida
A terra se iguala a água
O amor ao ódio insensato
O grito do lobo ao
Canto da cotovia
As plumas vão dissipando
Em frágeis  adeuses de verão.
O beijo se solta leve
Incapaz de solidificar-se
Em frases.

Na mistura da vida
O vento acarinha
O broto.
A mãe floresce
em sonhos.

Na mistura da vida
o que urge é a vida.

Mônica FSSoares

sábado, 10 de abril de 2010

ESTADO

Ser poeta
Não é profissão
É um estado
Uma missã0.

Ser poeta
Esta na beleza
De encruzilhar
Palavras soltas
Como tristeza.

Ser poeta
Mexe comigo
Não sei se vou
Ou se fico ...

Ser poeta
Me livra
Do peso
Do sorriso .

MônicaFSSoares

domingo, 14 de março de 2010

PENSAMENTO

O pensamento
apenas
voa
vagueia
sem rumo
sem pressa
solto
livre
e
leve.

O pensamento
aninha-se
a outro
pensamento
e forma
uma rede
deixando
uma espuma
fluctuantes
do pensar
de tantos ...
de poetas ...
de loucos ...
de amantes ...
De histórias
sem começo
sem fim.

O fim
é um pensar ...
que não
aceito
em mim.

Mônica FSSoares


Viva a poesia !

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

MAIS

Mais um ciclo de nossas vidas
termina para recomeçar ...
Tenho medo dos que não erram,
dos que não arriscam, dos que
não se jogam para experienciar
a vida.
É no erro, no risco, na experiência
que a vida acontece
e nos tornamos mais humanos,
menos transparentes ...
Nossa humanidade é medida
no que escrevemos todos os dias.
Ás vezes estamos poucos inspirados
e fazemos rascunho de nós mesmos.
É tão importante rascunhar e reescrever
nossa história, pois é o exercício da
escrita que demonstrará o talento
do escritor.
O que buscamos é a perfeição
mas para tal é preciso viver,
é preciso mergulhar nos ensinamentos
crístico do amor ...
Procurar o que não se conhece é a busca
de todo ser.
Um ano consciente do que precisamos:
do outro;
do equilíbrio do homem e do seu meio;
de doar mais que pedir;
de mostrar sem ferir;
de menos bagagem ao partir;
de ser elo sem acorrentar;
de ter poder para transformar...
de ter tempo para si e para mim;
de ser feliz !

Mônica FSSoares

sábado, 19 de dezembro de 2009

TENHO

Tenho renovado
os votos
de um amor
eterno.

Tenho requerido
o sucesso
de um projeto
em mim.

Tenho sonhado
com crianças
de um mundo
limpo assim.

Tenho feito
pensares
que se perdem
em mim.

Tenho rezado
a Deus
que triunfe
no mundo
a paz
de um jardim.

MFSS

sábado, 12 de setembro de 2009

BUSCA

O que pensamos viver em nós
É justamente o que já morre.
Falo de palavras
E palavras falam de mim.
Quem fala de quem?
Ou o poeta que já morre
fala não de mim,
Mas de alguém
Que pensa que vive?

SUSTO!

Súbito no asfalto
Um trem ...
Mimetismo de ostra,
Osmose de cantos
Percorrem os internos pulmões
Do meu cotidiano.
Um sonho de pedra,
De meigas meninas nuas!
Súbito um olhar
Dorme em mim ...
Manhã de noite esparsa ...
Dor de todo ser:
Fim.

sábado, 29 de agosto de 2009

MEU POEMA

Vejo mansamente
Fluir de mim
Um gosto do impreciso
E do inacabado:
É o meu poema.

Meu poema sangra
Como mulheres!

Meu poema sorri
Como crianças ...

Meu poema morre
Como flores:
Eterniza-se ...

Mônica FSSoares

sábado, 8 de agosto de 2009

O QUE !!!

O que fazer
quando já não
há brilho
no olhar ?

O que fazer
quando os sonhos
dissiparam como sal?

O que fazer
quando a luz do olhar
é negro e mudo
e tudo que existe
é um querer ser
sem poder ser
o que se poderia ?

O que fazer do olhar
quase perdido
do futuro ?

O que fazer
para trazer
luz , vida
e esperança
aos olhos
de criança ?

O que fazer?
Esperar por
um milagre
social !!!

É minha a dor
deste olhar.

Mônica Soares

Fim de Tarde

É fim de tarde
Penso que as palavras
Já dormem.

É fim de tarde
E o pássaro solitário
Gorjeia lá fora.

É fim de tarde
Só quero matar o tempo
Sentir o caminho do vento.

É fim de tarde
Penso que não é
Tarde o fim
Mas o recomeço
De tudo em mim.

Monica Soares

EVIDÊNCIA


Eu sempre me estranhei
Desde pequena:
Serei artista.
Eu poderia ser tudo
O que os outros são:
Nada.
No entanto, sou algo
Decifrável mas indefinível.
Agora recrio
O que não vejo: vida.
Teria sido vida
Ou desespero?!
(Construção sólida
Quebra o pensamento:
2º andar: adormeço.)
Tudo é poesia
Ou inteiramente sonho...

Monica Soares